Vaishlach

db5bd6a7-a4a4-4ee7-9f1e-8b1163f1ce07Bereshit/Gênesis 32:4-36:43

O Medo de Iaacóv

A Torá conta a história de Iaacóv e Essav, que brigavam no ventre da mãe Rivka pela progenitura. Essav, por ser o mais forte, consegue nascer primeiro, mas Iaacóv vem agarrado ao seu tornozelo. Quando adulto, orientado por Rebeca, Iaacóv consegue trocar a progenitura com Essav por um prato de lentilha.

A Parashá Vaishlach vem contar a história do reencontro desses dois irmãos, após uma longa ausência de Essav. Ao deixar a casa de seu sogro, Iaacóv parte com suas mulheres, filhos, criados e gado para a terra de seu pai. No caminho, fica sabendo que seu irmão vem ao seu encontro. O medo pelo que acontecera no passado envolve Iaacóv, afinal ele havia se aproveitado de um momento em que o irmão, faminto, lhe pede um prato de comida. Iaacóv consegue não somente a progenitura, mas a benção de seu pai, enganando-o ao fazer-se passar por Essav.

A reflexão sobre o que tinha ocorrido encheu Iaacóv de um grande medo, que o levou a tomar três atitudes: enviar presentes (touros, carneiros, jumentos etc.) para seu irmão, pensando “quem sabe assim ele esquece o que passou e não vem me matar”; rezar para Deus proteger-lhe; e preparar-se para lutar. Iaacóv teme que suas mulheres, crianças e animais sejam violados ou mortos e resolve separá-los em dois grupos, tentando evitar assim perder tudo que conseguiu.

Ao ficar sozinho, Iaacóv lutou com um Anjo de Deus por toda noite e não parou até que o anjo o abençoasse. O anjo perguntou o seu nome e ele respondeu: “Iaacóv!” E o seu nome foi trocado para Israel, pois tinha lutado com um anjo e vencera. Entretanto, essa luta deixou machucado o nervo da sua coxa e Iaacóv – agora Israel – passou a manquejar. Por esta razão, o povo judeu não come o nervo da conjuntura da coxa dos animais.

A troca do nome Iaacóv para Israel significava também o despertar de um novo homem. Iaacóv – um homem comum e com suas fraquezas – lutou pelos seus desejos com seu irmão (de quem obteve a primogenitura), com seu sogro (pelo direito de se casar com sua amada Rachel) e com o Anjo de Deus (por causa de suas faltas) e venceu todos! Já com a alma íntegra, recebeu o nome de Israel (aquele que venceu as forças sobrenaturais). Aliás, a palavra Israel em hebraico é composta pelas iniciais dos nomes dos patriarcas e matriarcas: Itzchak, Sara, Rachel e Rivka, Abraham e Lea.

O reencontro com seu irmão Essav foi pacífico. Os dois abraçaram-se, beijaram-se e choraram e Iaacóv apresentou sua família ao irmão e insistiu para que Essav aceitasse seus presentes e tudo ficou em paz, felizmente.

Iaacóv seguiu viagem para Sucot, onde fez cabanas para seu gado, razão do nome de Sucot, e edificou uma casa em honra de Deus. Comprou terras, armou suas tendas e fez um altar para Deus. Porém, um dos rapazes da terra deitou-se com a filha de Iaacóv e Lea, Diná, desonrando-a. Embora as famílias tenham tentado consertar o erro, os filhos de Iaacóv, Shimon e Levi, não se conformando com a desonra sofrida, mataram o rapaz e a família dele e todos daquele lugar, pois a santidade da família de Iaacóv havia sido ultrajada. Entretanto, os filhos de Iaacóv mataram pessoas inocentes e ele os repreendeu pelo que haviam feito. O medo reinstala-se na alma de Iaacóv, que foge com sua família para Bet-El.

A vida de Iaacóv foi de muito sofrimento. Partiu com sua família para Efrat, mas no caminho, Rachel morre ao dar à luz a seu segundo filho Biniamin (que vem de Ben-Oni) cujo significado é “filho de minha dor”, porque Iaacóv amava a Rachel e sua morte causou-lhe muita dor. Rachel foi sepultada no caminho para Efrat. Iaacóv ainda encontrou seu pai Itzchak vivo e levou-o à sepultura junto com seu irmão Essav. Seu irmão gêmeo mudou-se, deixando as terras de seu pai para Iaacóv e sua família, por amor ao irmão. Iaacóv pôde então superar um de seus maiores medos: o medo de seu irmão.

Shabat Shalom,
Licia Schvartzman