Toldot

toldBereshit/Gênesis 25:19-28:9

Herança

A leitura da parashá Toldot me remeteu aos tempos da escola primária, com minha professora de História Judaica contando para a turma o início da saga de Iaacov e Essav. Naquela época, a determinação de nosso patriarca Iaacov, estimulado por sua mãe Rivka, em obter os privilégios da primogenitura, primeiro chantageando seu irmão faminto com um prato de lentilhas e depois se aproveitando da cegueira de seu pai, pareceu justo e interessante para a classe, que torcia por ele.

Revendo hoje a narrativa, me pergunto qual a intenção do texto da Torá com o nascimento de Essav antes de Iaacov já que a vontade Divina poderia ter invertido a ordem entre os gêmeos. E qual a importância da herança que Iaacov almeja?

A resposta à primeira questão me parece mais fácil: a ordem de nascimento não pode constituir privilégio ou demérito quanto a importância e a contribuição que um indivíduo terá para sua comunidade, assim como em outros exemplos da Torá: Abel, Moshé, Iehudá, Iossef e Itzchak não foram primogênitos.

Toldot inicia com “E estas são as gerações de Itzchak, filho de Abraham: Abraham gerou a Itzchak.”(Bereshit 25:19). A Mishná interpreta o texto redundante como significando que tanto Itzchak tinha orgulho de ser filho de Abraham, como este de ser pai do primeiro. Esta seria uma resposta possível para a segunda questão, Iaacov se via como o irmão capaz de levar adiante a fé e a ética de seu pai e seu avô, tornando-se motivo de orgulha para eles.

Concluo com duas outras questões:
– Como, enquanto integrantes de uma comunidade progressista, preservaremos a essência da herança deixada pelas gerações anteriores?
– Como educar nossos filhos para que não troquem nossa herança por uma tigela de lentilhas?

Shabat Shalom,
Felipe Beer Frenkel