A MORTE DE ALBERTO NISMAN

A justiça não deve ser adiada… ou negada

111

A World Union for Progressive Judaism se junta à liderança de nossa região na América Latina (WUPJ-LA) para expressar o choque e o horror com que recebemos a notícia da morte de Alberto Nisman, procurador principal na busca da verdade por trás do atentado contra o prédio da AMIA (Asociación Mutual Israeli Argentina) em Buenos Aires mais de 10 anos atrás, que resultou na morte de 85 vítimas inocentes e centenas de pessoas que sofreram ferimentos graves. Nos solidarizamos com a comunidade judaica na América Latina na exigência de uma investigação completa da causa de sua morte.

Alberto Nisman era um homem notável, que perseguiu implacavelmente a verdade, independentemente da motivação política ou consequências. O ataque à AMIA em 18 de julho, 1994 foi um ataque contra toda a comunidade judaica, mas, em última instância, foi um ataque aos conceitos básicos da liberdade religiosa e do pluralismo, que fazem parte dos princípios mais importantes da World Union for Progressive Judaism.

Enquanto esta morte trágica pode atrasar a justiça que todos nós procuramos, e para o qual a vida de Alberto Nisman foi dedicada, oramos para que a justiça finalmente seja vitoriosa – e nós descubramos a verdade por trás dos responsáveis pelo ataque à AMIA, e a verdade por trás da morte do promotor Nisman. Os responsáveis devem ser responsabilizados.

 

Rabino Daniel H. Freelander, Presidente da WUPJ
Michael Grabiner, Presidente do Conselho da WUPJ
Raul Gottlieb, Presidente da WUPJ-LA
Miriam Vasserman, Vice-Presidente da WUPJ-LA